Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘laboratório de informática’

NO MUNDO DA INFORMATIZAÇÃO
Matéria da Revista Educação – Guia da Boa Escola

Bom sinal se…
A internet é usada como um recurso de aprendizado em todas as disciplinas

Sinal de alerta se…
Não há orientação dos professores e assistentes dos laboratórios de informática para uso da ferramenta

Pelo MSN, eles comentam o último clipe da banda preferida, combinam balada, falam sobre nada naquela língua quase incompreensível, mas também – acredite! – discutem a lição de casa e fazem trabalho em grupo. A internet entrou para a categoria dos recursos didáticos e se coloca entre os principais elementos de estímulo ao aprendizado, talvez perdendo apenas – e sempre! – para a figura humana do professor.

Com um acervo imensurável e truques tecnológicos atraentes como gráficos animados, áudio em tempo real e vídeos simuladores, a rede mundial de computadores propiciou uma agilidade galopante na aquisição e na retenção da informação. Oferece um ganho a ser agregado, porém cuidadosamente gerenciado.

Para começar, o domínio do computador não pode ser visto como um fim em si. Laboratórios de informática devem ser ambientes de estudo de várias disciplinas – a diferença em relação às salas de aula convencionais fica por conta dos meios usados para trabalhar os conteúdos. Assim, as crianças precisam saber usar editores de texto e planilhas eletrônicas para, com essas habilidades, potencializarem o aprendizado das disciplinas.

Por isso, é importante que a escola disponha de computadores em quantidade suficiente: não precisa ter um por aluno, mas também não é produtivo ter uma única máquina para um grupo. Certas atividades rendem mais quando feitas em dupla, com os estudantes trocando opiniões e se revezando no manejo do mouse. As atividades no laboratório de informática também precisam contar com a ajuda de um assistente que resolva questões de ordem prática, liberando o professor para se dedicar ao conteúdo.

Da mesma forma que os pais preparam os filhos para a vida fora de casa, ao deixar que seus alunos “botem o pé no mundo da web”, o professor precisa orientá-los sobre os benefícios e os riscos dessa exploração. Cabe a ele indicar bons sites educacionais, ensinar a usar ferramentas de busca e mostrar como selecionar e checar as informações. O benefício é duplo: enquanto aprendem princípios de física, por exemplo, os alunos também desenvolvem habilidades como senso crítico, organização mental, associações lógicas.

Sem falar nas possibilidades de intercâmbio com estudantes e pesquisadores de todo o mundo. Muitas escolas desenvolvem projetos em conjunto com instituições de outros continentes. Alunos brasileiros fazem contato com estudantes estrangeiros para praticar uma língua, por exemplo, ou para comparar dados dos dois países sobre um tema comum.

Pesquisas e trabalhos feitos com base em material captado da web merecem atenção especial. É muito fácil para um bom professor identificar se houve um esforço do aluno ou se a facilidade do “corta e cola” resultou em um mosaico de informações desconectadas e juntadas sem cuidado.

FONTE: REVISTA EDUCAÇÃO

Anúncios

Read Full Post »